O aperfeiçoamento de novas técnicas de congelamento como a Vitrificação tornou viável preservar óvulos e embriões, por tempo indefinido, sem deteriorá-los.

Desta forma é possível que mulheres que, pelos mais diferentes motivos, queiram retardar sua maternidade, possam ter filhos no futuro. Esta técnica de Reprodução Humana Assistida é a última novidade do setor.

O Núcleo Santista de Reprodução Humana desenvolve a técnica da seguinte forma: os óvulos, tecido ovariano e embriões são criopreservados, submergindo-os em nitrogênio líquido e armazenando-os no centro laboratorial, até que a mulher decida por ter um filho.

Ao estar preparada para gestar esta mulher passa por um tratamento de Fertilização In Vitro, possibilitando que ela engravide de um filho biologicamente seu.

Quando o congelamento de óvulos é indicado?

1- Por razões pessoais ou profissionais, em que a mulher deseja retardar (após os 35 anos) a maternidade
2- Mulher que espera encontrar um parceiro ideal para constituir família e deseja preservar a sua fertilidade futura
3- Mulher com diagnóstico de algum câncer que passará por tratamento de químio e/ou radioterapia (ex.: câncer de mama)
4- Mulheres que passarão por cirurgia na região dos ovários, podendo diminuir sua capacidade de engravidar. (ex.: cisto no ovário, endometriose)

Se você decide retardar a sua maternidade, recomendamos que o Congelamento de Óvulos ocorra até ou próximo dos 35 anos de idade. Após este período os óvulos tendem a envelhecer e perder qualidade.

Por exemplo, se uma mulher congelar os óvulos aos 35 anos, mesmo que ela descongele e use seus óvulos para engravidar aos 40 anos, a chance de gravidez permanece a mesma que a de uma mulher de 35 anos, ou seja, em torno de 45%, e não de 15%, porcentagem que se refere às chances de gravidez de uma mulher de 40 anos que realiza Fertilização In Vitro.