A inseminação artificial e a fertilização in vitro (FIV) são tratamentos indicados para casais que desejam realizar o sonho de ter filhos. Porém, os métodos geram dúvidas, principalmente sobre qual é a diferença entre eles.

Basicamente, a principal diferença entre a inseminação e a fertilização é a maneira como os óvulos são fecundados. Para você entender melhor:

Inseminação artificial: os espermatozoides do parceiro são coletados, preparados e injetados diretamente no útero da mulher para que o óvulo seja fecundado e a gravidez aconteça. Na maioria dos casos, a inseminação é indicada quando o espermatozoide não alcança o útero naturalmente.

Fertilização in vitro (FIV): a FIV é um método mais complexo. Esse tratamento é indicado quando algo está impedindo a fertilização natural, como tubas uterinas obstruídas, endometriose, baixa reserva ovariana, mulheres em idade avançada, entre outros. A fertilização é realizada por etapas, e diferente da inseminação, a fecundação do óvulo com o espermatozoide é realizada em laboratório, formando o embrião. Após esse processo, o embrião é colocado no útero da paciente, onde irá se desenvolver.

Ambos os tratamentos são alternativas para casais que não conseguem engravidar (em 12 meses) e são indicados após avaliação do especialista em reprodução humana.

Núcleo Santista de Reprodução Humana – Gerando sonhos em forma de vida!