Como casais homoafetivos estão tendo filhos?

Alguns dos métodos usados para terem filhos são: a recepção/doação de óvulos e embriões, a inseminação artificial com doador de espermatozoide, barriga de aluguel e adoção. O aconselhamento, antes de embarcar no caminho para a paternidade/maternidade, é indicado durante o processo, e depois da família formada.

 

As preocupações de um casal homossexual são diferentes da de pais heterossexuais?

Todas as preocupações potenciais de pais são compartilhadas. A dúvida se serão bons pais para a criança, a acessibilidade de paternidade, questões sobre a adequação de trazer filhos a um mundo como aquele em que vivemos, e sobre como uma criança muda a vida do casal.

Casais que utilizam técnicas de reprodução assistida podem também compartilhar preocupações sobre o vínculo biológico com a criança concebida com gameta de um terceiro; reação da sociedade, da família, amigos e o público em geral; e a dúvida em contar para a criança.

 

Que questões estão presentes exclusivamente para casais homoafetivos?

Essas questões incluem a homofobia internalizada e homofobia social. Homofobia internalizada é um termo usado para representar os pensamentos e sentimentos negativos e angustiantes vivenciadas por lésbicas e gays sobre a sua sexualidade, que são atribuídos a experiências de heterossexismo cultural e vitimização.
Além desta primeira, existe ainda, a homofobia social, que tem aos poucos diminuído em nossa sociedade.

 

Que questões precisam ser abordadas por casais do mesmo sexo?

Antes de concepção:

A primeira pergunta que muitos casais do mesmo sexo perguntam é se é ou não possível ter um filho. Esses casais podem se perguntar se amigos e familiares vão apoiar a sua escolha e se seus filhos vão sofrer alguma retaliação de ter pais do mesmo sexo em vez de ter uma família com uma mãe e um pai. A homofobia internalizada também deve ser combatida e o casal deve aceitar-se completamente para que não abordem sentimentos de vitimização.

Durante o tratamento de fertilidade:

A decisão das opções requerem discussões, como qual espermatozoide ou óvulo será utilizado. Além disso, os parceiros cujo útero, espermatozoide ou óvulos não foram utilizados podem questionar seu status como um pai pleno e igualitário caso essa decisão não tenha sido tomada em conjunto.

Depois de um ciclo bem sucedido:

O casal deve decidir o nome e a ordem dos sobrenomes a ser usado e como os seus filhos vão chamá-los. O casal deve discutir como falar com seus filhos sobre sua família. Os pais são incentivados a dizer a verdade na idade apropriada e evitar a mentira ou engano. O casal pode decidir quanto a contar aos outros sobre os detalhes da concepção. Sugere-se que os pais compartilhem com famílias, e amigos somente questões que os deixem confortáveis.