Tratamentos de infertilidade que produzem vários óvulos podem aumentar a probabilidade de gravidez de gêmeos, trigêmeos ou, até, mais. Isso é chamado de gestação múltipla. Ter muitos bebês de uma só vez pode parecer um boa ideia, porém, devemos lembrar que uma gestação múltipla pode aumentar diversos riscos para mãe e para os bebês.

 

Qual a probabilidade de gestação múltipla?

Dependendo do tipo de tratamento de fertilidade usado, se mais do que um folículo é produzido, o risco de gravidez múltipla pode ser de 1 em 3 mulheres que ficam grávidas através desses procedimentos.

 

O que pode acontecer com os bebês?

Os bebês podem nascer cedo demais, o que é chamado de parto prematuro. Metade de todos os gêmeos e 90% de todos os trigêmeos nascem prematuramente. Bebês nascidos prematuramente podem ter alguns problemas de saúde. Seus pulmões podem não ser maduros o suficiente podendo causar desconforto respiratório nos primeiros dias de vida. Os bebês nascidos abaixo do peso ideal devem receber cuidados especiais para evitar alguns tipos de infecção.

 

O que pode acontecer com a mãe?

A gestante múltipla pode desenvolver pressão arterial elevada, diabetes, anemia, ou alteração do líquido amniótico (o líquido que envolve o bebê durante a gravidez).

A gestante que entrar em trabalho de parto prematuro, poderá receber medicações para inibir o trabalho de parto de deverá permanecer em repouso relativo por período determinado por seu médico.

 

O que posso fazer para reduzir o risco de nascimentos múltiplos?

Durante um ciclo de tratamento de fertilidade quando as medicações hormonais são utilizadas com a relação programada ou inseminação, o seu médico deverá monitorar o seu ciclo com muito cuidado. No entanto, se for verificado que um número excessivo de folículos está se desenvolvendo, o seu médico pode cancelar o seu ciclo ou transformá-lo em Fertilização In Vitro, evitando assim a ocorrência de gestação múltipla.

A fertilização in vitro (FIV), onde o óvulo e o espermatozoide de seu parceiro são unidos em laboratório, é menos provável a gravidez de trigêmeos ou mais, se apenas um ou dois embriões forem colocados em seu útero. Antes da transferência destes embriões, você e seu médico irão decidir quantos serão colocados em seu útero.

Pela resolução do CFM de 2013, pacientes com menos de 35 anos poderão transferir, no máximo, dois embriões. Mulheres entre 35 e 40 anos, três embriões e mulheres acima de 40 anos poderão decidir em transferir ao máximo de quatro embriões.
Tais decisões deverão ser tomadas juntamente com seu médico especialista em Reprodução Assistida.