O uso das vitaminas e antioxidantes é difundido por se acreditar que essas substâncias são capazes de retardar o envelhecimento e melhorar a qualidade de vida. O que é pouco comentado é que eles podem ter efeitos negativos quando usados excessivamente. Um deles seria reduzir a fertilidade da mulher.

Isso foi o que observou um estudo do Weizmann Institute of Science, de Israel. Os pesquisadores analisaram dois grupos distintos de ratas. Em um deles, elas tiveram o ovário tratado com antioxidantes e no outro, não. As ratas do primeiro grupo liberaram menos óvulos que as do segundo.

Os antioxidantes neutralizam a ação dos radicais livres e de outras espécies que reagem com o oxigênio do sangue. Em excesso, essas espécies podem causar envelhecimento e danos ao DNA da célula. Mas isso não significa que elas sejam as vilãs da história. Elas também têm função no organismo. “É importante que os radicais livres atuem, causando certa inflamação nos tecidos, para que as reações fisiológicas aconteçam”, explica Daniel Zylbersztejn, especialista em reprodução humana da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e médico assistente do Setor de Reprodução Humana do Hospital São Paulo.

Como o processo ovulatório tem mecanismos muito semelhantes aos de inflamações, a ação dos agentes oxidantes é importante para seu funcionamento. Eles têm participação na maturação do óvulo e na formação do corpo lúteo (que produz hormônios necessários para a gravidez). O excesso de antioxidantes prejudicaria esses processos e poderia provocar problemas de fertilidade na mulher.

Embora o estudo aponte os malefícios dos antioxidantes, não há pesquisas mais amplas e conclusivas sobre o assunto.

 

Efeitos positivos e equilíbrio

Muitas clínicas recomendam o uso de antioxidantes para tratar problemas de fertilidade masculina, por exemplo. No caso dos homens, o excesso de radicais livres diminui a motilidade do espermatozoide ou dificulta a fecundação. Por isso, Condesmar Marcondes, responsável pelo Núcleo de Reprodução Humana da Clinimater, de Santos (SP), diz que não é possível descartar os antioxidantes no tratamento da fertilidade. “Eu acredito que os antioxidantes tenham o mesmo efeito no metabolismo dos óvulos. Mas depende da quantidade e de uma série de coisas. O excesso vai trazer resultado ruim”, afirma.

O importante para manter o bom funcionamento do metabolismo e não ter problemas de fertilidade seria, portanto, o equilíbrio. “O recomendado é ter uma vida equilibrada. Uma boa nutrição, fazer exercícios físicos, ter bem estar. Isso é o ideal. O suplemento vitamínico é para quem tem uma deficiência”, diz Daniel.

 

Método Contraceptivo

O estudo aponta que existiria a chance de usá-los como método contraceptivo. Determinadas doses dessas substâncias poderiam interromper a ovulação e, consequentemente, impedir que a gravidez aconteça.

Entretanto, ainda não foi feita pesquisa mais aprofundada sobre o assunto. “Tudo isso está no nível de pesquisa. Não dá para afirmar na prática. Vai demorar muito tempo para ver se funciona ou não”, explica Condesmar.

 

Fonte: Terra.com.br